1 de agosto de 2016

A vez dos eventos corporativos

Post by Portofino Buffet

1
Os eventos corporativos estão conquistando cada dia mais espaço no planejamento estratégico das empresas. Investir nesse segmento propicia contato direto e personalizado entre as organizações e os diferentes públicos. Em 2015, a estimativa é de que o mercado tenha movimentado mais de R$ 200 bilhões. A região Sul do país responde por cerca de 15% do mercado nacional.

Leia na entrevista com o especialista na área, Ricardo Pavão, diretor executivo da premiada agência Santa Promo, de Florianópolis, como a promoção de eventos de negócios pode agregar valor às empresas e marcas.

Como está o mercado de eventos corporativos hoje em Florianópolis e em Santa Catarina?
Ricardo Pavão: O mercado de eventos corporativos está aquecido e os grandes espaços do Estado estão com a agenda cheia, principalmente com eventos técnico-científicos. Dentro desse contexto, locais que possam receber congressistas e palestrantes em eventos auxiliares às convenções, que geralmente duram alguns dias, são de fundamental importância. A realização de coquetéis de negócios, confraternizações, workshops e jantares complementares à programação oficial dos congressos e convenções também movimenta o setor. Quem se atentar a esses encontros corporativos paralelos ao cronograma oficial, que propiciam networking e relacionamento entre o público-alvo, vai se diferenciar. Assim também como esses espaços auxiliares que estiverem antenados ao calendário anual dos grandes eventos técnicos-científicos também vão agregar know-how na área de turismo de negócios e eventos corporativos.

E como essas empresas, entidades associativas e organizações podem agregar valor à sua marca e seus produtos com a realização desses eventos auxiliares?
Ricardo Pavão: Promover a interação entre a instituição/marca e seu público-alvo sem dúvida é uma forma de agregar valor e ter contato direto com o pensamento do cliente ou potencial cliente. Nesse sentido, manter um cronograma consistente de pequenos workshops, palestras e cursos sobre temas correlatos à área de atuação, além de confraternizações, promovidos com uma frequência razoável ao longo do ano, é realmente importante estrategicamente quando falamos de interação com o público.

Quando falamos do planejamento desse cronograma de eventos corporativos, quais são os principais pontos a se levar em consideração?
Ricardo Pavão: Quando se fala de planejamento, precisamos pensar basicamente no objetivo do evento, na razão de ser dele, em quem é o público-alvo, o cronograma desse evento e o local de realização. A escolha do local onde será feito o evento serve de base e ponto de partida para todo o restante da organização – a logística dos participantes, a definição do conteúdo que será apresentado, a comunicação interna e externa, além das ações de relacionamento. Mas a definição do objetivo e da meta do evento são os primeiros passos do trabalho.

Quais são as tendências e expectativas para o segmento de eventos corporativos neste ano?
Ricardo Pavão: Apesar da crise econômica, as expectativas podem ser boas se o profissional de eventos corporativos souber explorar bem algumas tendências. Oferecer conteúdo digital útil é uma excelente maneira de atrair clientes para o negócio específico das empresas. O uso de aplicativos e tecnologia durante eventos que possibilitem a interação entre convidados e anfitriões também está em alta. Fotos e vídeos feitos pelos smartphones dos convidados passando em tempo real no telão ou um grupo no whatsapp da festa são bons exemplos. Também como consequência dos tempos de crise econômica, os eventos de 2016 se tornaram menores. Por isso, otimizar recursos e investir em um planejamento minucioso pode ser mais econômico sem deixar de ser certeiro.